Myth or true: Following safety protocols will transform tourism operations less sustainable

IMG_6065

Recently, I had the opportunity to see how safety protocols changed the tourist experience. I confess that, I had mixed feelings about that (sometimes feelings safe; sometimes felling at risk everywhere I went; feeling bad with generation of waste; feeling protected because my room wasn’t clean every day and at the same time bothered by all garbage accumulating day by day in the room. This situation made my think about the relation between safety protocols and sustainability.

Well, we have a new context, which called for new procedures and therefore generating new impacts. I’ve heard that safety protocols are not sustainable, because Hotels are now using more plastic and cleaning products for sanitizing surfaces.

When, we think about consumption of plastic to protect food or objects in accommodation establishments it’s refers a new procedure adopted and of course we can see that are more plastic being used, as plastic films or new packages than before. But in this case, is relevant to guarantee that consumption of plastic will really protect the guests and not used it just to give a perception of protection. According UNWTO, “Plastic film is not a sanitization measure in and of itself. If the wrapped-up remote control is touched by a member of staff who has not cleaned their hands, this could become a point of transmission of COVID-19:

  • Instead of wrapping in plastics, all items available for guests to use should be properly sanitized.
  • Equally, clear procedures should be developed to ensure that staff avoid touching any objects such as remote controls with unsanitized hands.
  • As a plus, this will avoid the need to properly dispose of the plastic film, which is a nonrecyclable plastic material.
  • Where items must be wrapped in plastic, these too need to be sanitized.”

But are the Hotels being more or less sustainable? Let’s reflect together about that.

First of all, safety is part of sustainability, including all kind of health risks and to prevent them is part of sustainability approach for all tourism enterprises that want be sustainable. Also, the government measures are very important. Nowadays, more than ever, tourism sector needs to move forward together adopting safety measures in compliance with laws and guidelines to prevent COVID 19.

ISO 21401 – Sustainability Management System for Accommodation Establishments contain a set of aspects, for all dimensions of sustainability. One of them is Health and safety of guests and workers, which describe “Accommodation Establishments shall implement procedures for continuous risk identification, risk assessment and the implementation control measures.”

How to recover tourism sustainably

Secondly, it is important to understand how sustainability works! The tourism activities have aspects, characteristics such as: consumption of water, guest satisfaction or local community. These aspects produce a several different impacts and risk and opportunities too. This is a dynamic process that occurs every day that and every business should try to control.

What companies normally do, is to implement control measures, reducing negative impacts and risks. But it is quite more complex than it appears, because the context always is changing and because we are talking about all dimensions of sustainability, which means that adopting control measures sometimes is a tradeoff.

When businesses are implementing safety protocols to protect tourists and workers, they are in fact, implementing new control measures. At the end of the day, which is important, is Hotel’s responsibilities to guarantee that guests are safe.

Thirdly, the process of identification, analysis and evaluation of impacts shall take account: negative and positive impacts; probability and consequence of each impact and relevance criteria

So, keep in mind, that it is part of the concept of sustainability the relevance and size of impacts. There is a correlation between size of impact and volume of consumption which depends on the occupancy rate, as well. More people, more impact.

Besides that, as everybody knows, the number of guests is smaller than before the pandemic. So, to say that a Hotel is more or less sustainable depends on the size and kind of impacts they have been producing.

But How this new context can be managed? How could Hotels be more sustainable? In my opinion, adopting a management system approach that will allow each Hotel to identify and control the risks and impacts which are relevant for their operation. In fact, I have noticed that those Hotels had implemented a management system were more efficient in adopting new controls and procedures.

Finally, I would like to say that the pandemic showed us that we can’t live without a holistic (or integrated) view of the world as a hole. We are more connected than we could have imagined. That’s why, I believe (more than ever) in the sustainable tourism approach for companies and destinations.

SUSTAINABILITY PRACTICES AND RESULTS

IMG_0025

There are numerous measures that we can take to improve the sustainability of the business. These measures, called sustainability practices, are quite common in the tourism sector, especially in hotels. Here are some examples:

  • communication and engagement:

a) raising guest awareness through the website, reservation system, check-in, accommodation facilities, social areas, verbal information, displays, signs, brochures or guides;

b) conducting education activities with the local community through site visits, lectures, competitions, practices promotion in the local media (e.g. newspapers, radio);

c) training employees through, for example, meetings, workshops, courses, lectures, seminars, conferences, volunteer programmes;

  • social and economic development of destinations

a) solidarity economy actions;

b) used products and equipment donations for the community;

c) giving preference to and developing local suppliers.

  • solid waste reduction

a) preferential bulk purchasing, when compatible with the organization’s operations and environmental conditions, taking into account safety, quality and economic aspects;

d) separation, selective waste collection and proper disposal;

c) secondary waste separation, having temporary storage containers for waste;

d) reuse of organic waste, for example as an production input for local communities;

e) contractual agreements with suppliers to collect unused products and packaging (reverse logistics).

  • energy efficiency

a) use of renewable energy sources such as solar and wind;

b) optimizing the use of natural lighting;

c) use of heating or cooling equipment and devices with maximized energy efficiency;

  • management of water usage

a) use of water-saving devices (e.g. taps and valves to reduce water consumption in bathrooms, toilets, showers and flushing systems);

b) periodic inspections to identify leaks;

c) towel- and linen-reuse programmes;

d) rainwater harvesting;

  • interaction with the native population

a) informing guests about the peculiarities that relate to native populations;

b) returning or compensating native populations for the benefits earned from the use of resources, traditions and cultural knowledge;

c) supporting actions to improve the living conditions of native populations, according to their priorities;

d) promoting respect for the culture and privacy of native populations, avoiding the violation of privacy, destruction of archaeological or historical sites, disrespect for sacred rituals and places, or the imposition of festivals and rituals outside the traditional calendar;

  • information to be provided to the guests

a) basic local historical, cultural and ecological information on environmental protection actions developed in the region;

b) information on the various protected natural areas and other natural attractions of interest in the region;

c) information about the consumption of local products, including emphasizing the cuisine of the area;

d) safety and security measures and procedures for guests;

e) information on how to behave in local communities and about the responsibilities to be followed in the places visited;

Looking at these examples of sustainability practices, you could ask: How many practices do I need to implement in my business? Which practices would be most suitable for my business? What kind of results that I will be obtained?

Also, as sustainability practices implies investments in the business, it is important to evaluate the expected results. Some sustainability practices that require little investment and others that require significant resources. Thus, it is always healthy to choose practices that are within the viability of the business and that will produce the desired results.

For that, it is important to establish objectives for each of the aspects of sustainability, such as: reducing water consumption in the Hotel by 5%. Thus, it will be easier to monitor the results and assess whether the practicability of the practices implemented.

Within this logic, you can measure the current situation (for example: current water consumption), select and implement practices to reduce water consumption and, finally, measure the new consumption situation, to then assess whether the objective was fulfilled. It is recommended to establish a process to evaluate the results obtained, using indicators (example: liters of water / guest / night).

Finally, adopting and implementing sustainability practices is always important, as well as managing a business seeking to be increasingly sustainable. But to assure that the business is being more sustainable, it will be necessary to assess whether there are concrete results in minimizing negative impacts or in increasing positive impacts of sustainability. See also:What is a sustainable hotel?

PARA QUE SERVEM AS PRÁTICAS DE SUSTENTABILIDADE?

IMG_0025

Existem inúmeras medidas que podemos tomar para melhorar a sustentabilidade do negócio. Estas medidas, chamadas de práticas de sustentabilidade, são bastante comuns no setor do turismo, principalmente na hotelaria de todos os portes e tipos. Seguem alguns exemplos:

  • comunicação e engajamento
  1. sensibilizar o cliente no site, sistema de reserva, check in, na unidade habitacional, em áreas sociais, por meio de informações verbais, display, placa, folder ou manual;
  2. realizar ações de educação com a comunidade local, como visita às instalações do meio de hospedagem, palestras, concursos, divulgação das práticas adotadas nos meios de comunicação locais (jornais, rádio etc.);
  3. capacitar os colaboradores por meio de reuniões, oficinas, cursos, palestras, seminários, congressos, programas de voluntariado, entre outros;
  • desenvolvimento social e econômico dos destinos
  1. ações voltadas à economia solidária
  2. doações de produtos e equipamentos obsoletos para a comunidade
  3. dar preferência e desenvolver fornecedores locais
  • resíduos sólidos
  1. aquisição preferencial de produtos em embalagens para grandes quantidades, quando compatível com as operações da organização e das condições ambientais, levando em consideração aspectos de segurança, de qualidade e econômicos;
  2. separação, coleta seletiva e destinação adequada;
  3. reutilização dos resíduos orgânicos, inclusive como insumo de produção para as comunidades locais;
  4. acordos contratuais com fornecedores para a coleta de embalagens (logística reversa) e produtos não utilizados.
  • eficiência energética
  1. uso de fontes de energia renováveis, como energia solar e eólica;
  2. otimização do uso da iluminação natural;
  3. utilização de equipamentos e dispositivos de aquecimento ou refrigeração com eficiência energética maximizada;
  • gestão do uso de água
  1. utilização de dispositivos para economia de água (como, por exemplo, torneiras e válvulas redutoras de consumo em banheiros, lavabos, chuveiros e descargas);
  2. inspeção periódica para identificação de vazamentos;
  3. programa específico, como troca não diária de roupa de cama e toalhas;
  4. captação e armazenamento de águas pluviais;
  • interações com as populações tradicionais
  1. informar aos clientes sobre as peculiaridades para relacionar-se com as populações tradicionais;
  2. retribuir ou compensar as populações tradicionais pelos benefícios auferidos pelo uso de recursos, tradições ou conhecimento das populações tradicionais;
  3. apoiar ações para melhoria das condições de vida das populações tradicionais, segundo as prioridades definidas por elas;
  4. promover o respeito à cultura e à privacidade das populações tradicionais, evitando a violação da intimidade, a destruição de sítios arqueológicos ou históricos, o desrespeito a rituais e locais considerados sagrados ou pela imposição de festas e rituais fora do calendário tradicional;
  • informações a serem fornecidas aos clientes
  1. informações históricas, culturais e ecológicas locais básicas sobre ações de proteção ambiental desenvolvidas na região;
  2. informações sobre as várias áreas naturais protegidas e outros atrativos naturais de interesse na região;
  3. informações sobre o consumo de produtos locais, inclusive enfatizando a culinária da região;
  4. medidas e procedimentos de proteção e segurança para os clientes;
  5. informação sobre como se comportar nas comunidades locais e sobre as responsabilidades a serem os lugares visitados;

Quando se observa esta lista de exemplos de práticas de sustentabilidade, pode-se pensar: Preciso implementar todas as práticas, para o meu negócio ser mais sustentável? Quais destas seriam mais adequadas ao seu negócio? Quais são os resultados práticos que serão obtidos?

Como as práticas de sustentabilidade também implicam em investimentos no negócio é importante que se avalie os resultados esperados, para ver se compensa a sua implementação ou manutenção. Existem práticas de sustentabilidade que necessitam de pouco investimento e outras que necessitam de recursos significativos. Assim, sempre é saudável escolher as práticas que estejam dentro da viabilidade do negócio e, que irão produzir os resultados desejados.

Com relação aos resultados desejados, o ideal é se estabelecer objetivos concretos e mensuráveis para cada um dos aspectos da sustentabilidade, como por exemplo: reduzir em 5 % o consumo de água no Hotel. Assim, ficará mais fácil acompanhar os resultados e avaliar se a viabilidade das práticas implementadas.

Dentro desta lógica, pode-se medir a situação atual (por exemplo: o consumo de água atual), selecionar e implementar práticas da redução do consumo de água e, por fim, medir a nova situação de consumo, para então avaliar se o objetivo foi cumprido.

Assim, recomenda-se estabelecer claramente objetivos de sustentabilidade e uma forma de avaliar os resultados obtidos, como o uso de indicadores, por exemplo: litros de água/hospede/noite.

Por fim, adotar e implementar práticas de sustentabilidade é sempre importante, assim como, gerenciar um negócio buscando ser cada vez mais sustentável. Mas para se ter certeza que o negócio está de fato sendo mais sustentável, será preciso avaliar se existem resultados concretos na minimização dos impactos negativos ou no aumento dos impactos positivos da sustentabilidade. Para saber mais, veja: O que é um Hotel sustentável?

What is a sustainable hotel?

IMG_5076

Nowadays, it is very common to find hotels with sustainability practices. The most common are those aimed at the use of water and energy, but there are many others related to waste, generating income for communities, promoting local culture, using biodegradable cleaning products, among others.

Staying in a hotel or searching on the internet is easy to locate these types of practices. But is a hotel that has 15 types of sustainability practices more sustainable than other which has only 3? Or, a hotel that has implemented sustainability practices for the use of water, energy and waste is more sustainable than another hotel that has implemented sustainability practices only for the use of energy?

In fact, there are certification schemes that use this premise to grant a label, establishing levels of certification: gold, silver and bronze. The hotel that has more sustainability practices receives more “points” and, therefore, receives a “better” label, for example, the gold label.[Certification of sustainable tourism]

However, this idea does not make much sense. Sustainability practices have the function of minimizing the negative impacts generated by the hotel, whether these are environmental, socio-cultural or economic. So, what matters is not quantity of practices, but how much the hotel has managed to reduce the impact generated. A given hotel may need to implement 5 or 6 sustainability practices to significantly reduce water consumption. However, another hotel may achieve the same result of reducing water consumption by implementing only 2 of these practices.[ISO 21401:2018 – Sustainability management system for accommodation establishments and Sustainable development Goals (SDG) from UN (United Nations)]

In addition, each hotel has its own characteristics (number of rooms, leisure infrastructure, type of plumbing, operating time, etc.) and the reduction in water consumption can be totally different from one hotel to the other. Thus, what matters for a hotel is to achieve its goal of reducing water consumption in relation to what it consumed before implementing sustainability practices. The number of practices adopted is irrelevant and the comparison between hotels, without the use of a standardized indicator, is unrealistic.

In this way, the ideal is for the hotel to establish a measurable goal to minimize the impact generated, for example, to reduce water consumption by 5% this year and, from this, use an indicator to measure current consumption (Liters or M3 of water / guest / night).

Using this logic, the hotel will be able to connect sustainability practices to business management, making decisions that generate actions to minimize environmental impacts (reducing water consumption) and economic impacts (reducing costs), as following:

Example of the basic logic for Sustainability Management

Aspect of sustainability  

water consumption

 

Impact of sustainability  

reduction of natural resource

 

Sustainability goal  

to reduce water consumption by 5%

 

Sustainability practices  

to install water flow reducers in showers; implement a program to change towels every 2 days and establish an inspection routine to identify leaks from the facilities

 

Sustainability indicator  

Liters or M3 of water / guest / night

 

Result (before practices)  

150 liters / guest / night (March 2019)

 

Result (after the practices adopted)  

142.5 liters / guest / night (March 2020)

 

Final result obtained  

5% reduction in water consumption

 

 

Finally, we can say that it does not matter the amount of sustainability practices adopted, but the management of sustainability.

To learn more about Sustainability Management see ISO 21401 – Sustainability Management System for accommodation establishments.

 

O que é um Hotel sustentável?

IMG_5076

Atualmente, é muito comum encontrar hotéis com práticas de sustentabilidade. As mais comuns são aquelas voltadas para o uso da água e da energia, mas existem muitas outras relacionadas com resíduos, geração de renda para comunidades, valorização da cultura local, uso de produtos de limpeza biodegradáveis, entre outras.

Ficando hospedado ou realizando uma rápida pesquisa na internet é fácil de localizar estes tipos de práticas. Mas será que um hotel que tem 15 tipos de práticas de sustentabilidade é mais sustentável do que aquele que possui somente 3? Ou será, que o hotel que implementou práticas de sustentabilidade para gestão e uso da água, da energia e de resíduos é mais sustentável que outro hotel que implementou práticas de sustentabilidade somente para gestão e uso de energia? [A norma ISO 21401:2018 – Sistema de gestão da sustentabilidade de meios de hospedagem e os objetivos de desenvolvimento sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU)]

Aliás, existem esquemas de certificação que usam esta premissa para a concessão de um selo, estabelecendo níveis de certificação: ouro, prata e bronze. O hotel que tem mais práticas de sustentabilidade recebe mais “pontos” e, portanto, recebe um selo “melhor”, por exemplo, o selo ouro.[Certificação de turismo sustentável]

Contudo, este pensamento não faz muito sentido. Veja, as práticas de sustentabilidade têm a função de minimizar os impactos negativos gerados pelo hotel, sejam estes ambientais, socioculturais ou econômicos. Assim, o que importa não é quantidade de práticas, mas sim o quanto o hotel conseguiu reduzir o impacto gerado. Um determinado hotel pode precisar implementar 5 ou 6 práticas de sustentabilidade para redução significativa do consumo de água. Porém outro hotel poderá chegar no mesmo resultado de redução do consumo de água implementando somente 2 destas práticas.[Hotéis Sustentáveis: Porque isso é importante para os hóspedes?]

Além disto, cada hotel tem suas características (número de quartos, infraestrutura de lazer, tipo de instalações hidráulicas, tempo de funcionamento, etc) e a redução do consumo de água pode ser totalmente distinta de um hotel para o outro. Assim, o que importa para um hotel é atingir seu objetivo de redução do consumo de água em relação ao que consumia antes de implementar as práticas de sustentabilidade. A quantidade de práticas adotadas é irrelevante e a comparação entre os hotéis, sem o uso de um indicador padronizado, é irreal.

Desta maneira, o ideal é que o hotel estabeleça um objetivo mensurável para minimizar o impacto gerado, por exemplo, reduzir 5% o consumo de água neste ano e, a partir disto, usar um indicador para medir o consumo atual (litros ou M3 de água/hóspede/noite).

Ao usar esta lógica, o hotel poderá conectar as práticas de sustentabilidade à gestão do negócio, tomando decisões que gerem ações de minimização dos impactos ambientais (redução do consumo de água) e dos impactos econômicos (redução de custos), saber:

Exemplo da lógica base para Gestão da Sustentabilidade

Aspecto da sustentabilidade

consumo de água

Impacto da sustentabilidade

redução do recurso natural

Objetivo de sustentabilidade  

reduzir 5 % do consumo de água

 

Práticas de sustentabilidade  

instalar redutores de fluxo de água nos chuveiros; implementar programa de troca de tolhas e roupas de cama a cada 2 dias e estabelecer rotina de inspeções para identificar vazamentos das instalações

 

Indicador de sustentabilidade  

Litros ou M3 de água/hóspede/noite

 

Resultado (antes das práticas)  

150 litros/hóspede/noite (março de 2019)

 

Resultado (depois das práticas adotadas)

142,5 litros/hóspede/noite (março de 2020)

 

Resultado final obtido 5% de redução do consumo de água

 

Por fim, podemos dizer que não interessa a quantidade de práticas de sustentabilidade adotadas e, sim, a gestão da sustentabilidade.

Para saber mais sobre Gestão da Sustentabilidade de Hotéis existe a norma ABNT NBR ISO 21401 – Sistema de Gestão da Sustentabilidade para Meios de Hospedagem.

Para saber mais sobre indicadores de sustentabilidade consulte a norma ABNT NBR 16534 – Meios de hospedagem – Indicadores para o sistema de gestão da sustentabilidade.

Certificação de turismo sustentável

Farol

A certificação de negócios sustentáveis no turismo

Muito popular hoje em dia, a certificação é um mecanismo para assegurar que determinada empresa, produto ou serviço está em conformidade com requisitos especificados. No caso do turismo sustentável, o que se pretende dizer por meio da certificação é que uma empresa é sustentável ou que tem um sistema de gestão da sustentabilidade.

A maioria das certificações existentes se dividem em 2 grupos: o primeiro com foco em atestar que a empresa tem determinadas práticas sustentáveis e o segundo que a empresa tem um sistema de gestão da sustentabilidade implementado e eficaz, neste caso, as práticas sustentáveis também são consideradas mas não há uma predeterminação de quais são as práticas que devem ser adotadas.

A certificação é realizada por uma organização independente, denominada de organismo de certificação, que tem como negócio avaliar a conformidade e atestar para o mercado que a empresa é sustentável.

Para conquistar à certificação a empresa precisa demonstrar que cumpre os requisitos. Obviamente que para dar início a este processo a empresa precisar fazer a sua lição de casa, conhecendo inicialmente os requisitos que dão base a certificação desejada, passando por uma auto-avaliação do seu negócio e, principalmente, implementando medidas para atendimento destes requisitos. Assim, a empresa aumentará a chance de ser certificada e poderá usar a certificação como instrumento de marketing e comunicação com mercado em que atua ou pretende atuar.

Contudo é importante destacar que a certificação não deve ser um fim em si mesmo, mas sim, a consequência natural para a empresa que cumpre os requisitos e, portanto, pode ser chamada de sustentável. Na verdade, o atendimento aos requisitos de sustentabilidade tem poder de transformar a empresa e trazer benefícios muito além do próprio certificado.

Exemplos de benefícios normalmente conquistados com a certificação são:

  • Melhoria da imagem
  • Fortalecimento da Marca
  • Melhoria da gestão do negócio
  • Fortalecimento da parceira com as partes interessadas
  • Mídia espontânea
  • Aumento da satisfação dos clientes
  • Aumento do engajamento dos colaboradores
  • Redução de custos operacionais
  • Melhoria nos resultados

Ter uma empresa sustentável, minimizando os impactos negativos e potencializando os impactos positivos gerados, é uma forma moderna e atual de ser fazer negócios.

Outro aspecto relevante da certificação da sustentabilidade é que invariavelmente a empresa acaba influenciando de forma bastante positiva o território em que está instalada ou operando. Assim, a sustentabilidade acaba criando uma rede, onde todas as partes interessadas ganham, sejam elas colaboradores, comunidade local, fornecedores, turistas, ONG’s, poder público local, entre outras.

Um processo de certificação de empresas envolve, de uma forma geral, as seguintes etapas:

  • Solicitação da certificação
  • Envio da documentação da empresa
  • Análise técnica da documentação
  • Realização de auditoria
  • Análise dos resultados
  • Concessão do Certificado
  • Auditorias de manutenção (durante o período de validade do certificado)

Existem muitos tipos de certificação em turismo sustentável e a empresa deve avaliar qual certificação agregar valor ao seu negócio e ajuda na comunicação com o mercado em que atua e com os seus clientes.

A certificação de Meios de Hospedagem

A certificação de meios de hospedagem tem a função de garantir que o meio de hospedagem tem um sistema de gestão da sustentabilidade implementado e eficaz. Esta certificação vale para qualquer tipo, tamanho e localização geográfica de meio de hospedagem e é baseada numa norma internacional, a norma ISO 21401:2018 – Sistema de Gestão da Sustentabilidade de Meios de Hospedagem.

Ao implementar os requisitos desta norma o meio de hospedagem terá como benefícios, o fortalecimento do seu negócio e o aprimoramento do processo de tomada de decisão, o qual passará a ser feito de forma mais moderna e completa, olhando simultaneamente para as 3 dimensões da sustentabilidade (ambiental, sociocultural e econômica).

Um sistema de gestão da sustentabilidade pressupõe o desenvolvimento de política e objetivos de sustentabilidade, baseados nos contextos interno e externo do empreendimento, nas necessidades das partes interessadas, nos riscos e oportunidades existentes e fundamentado nos aspectos e impactos negativos e positivos do negócio. Obviamente que isto deve ser liderado pela alta direção do meio de hospedagem, que deverá demonstrar seu comprometimento, provendo recursos, definindo responsabilidade e autoridades e planejando as ações de sustentabilidade de forma ambientalmente responsável, socialmente justa e economicamente viável.

Além disto, o Sistema de Gestão da Sustentabilidade precisa contemplar as competências dos colaboradores, a implementação de controles dos processos de trabalho, métodos de comunicação e o desenvolvimento e a avaliação de fornecedores. É fundamental para que se possa usá-lo de forma eficaz, que seja documentado e tenha elementos de monitoramento, análise e melhoria contínua clássicos nos sistemas de gestão: avaliação do desempenho, auditoria interna, análise crítica, não conformidade e ações corretivas.

Um meio de hospedagem administrado por meio de um Sistema de Gestão da Sustentabilidade permitirá o desenvolvimento de um negócio realmente sustentável e apto para os desafios atuais do turismo.

Após a implementação desta norma o meio de hospedagem que desejar ser certificado irá passar por processo de auditoria planejada pelo organismo de certificação, que enviará auditores para avaliar à conformidade da gestão e das práticas adotadas em relação aos requisitos de sustentabilidade.

A certificação de empresas de turismo de aventura

Para as empresas de turismo de aventura é possível ser certificado com base na norma internacional ISO 20611:2018 – Boas práticas de sustentabilidade. Neste caso não é necessário implementar um sistema de gestão completo, mas sim, demonstrar que adota práticas sustentáveis na sua operação para as três dimensões: ambiental, social e econômica.

As práticas devem ser adotadas com o objetivo de reduzir os impactos gerados com as operações turísticas da empresa, como por exemplo:

  • Dimensão ambiental – uso de recursos naturais, consumo de água e energia, na proteção da biodiversidade e dos habitats naturais;
  • Dimensão social – respeito dos colaboradores e da comunidade local, promoção e respeito da cultura local, condições de trabalho;
  • Dimensão econômica – adoção de práticas justas de comércio, gestão dos riscos financeiros do negócio, geração de trabalho.

A roadmap to Sustainability Management System for accommodation establishments: Part I

Road map Diagrama para ISO 21401.002

How to implement a Sustainability Management System based on ISO 21401?

First of all it is important to say that a road map present here is not the only way to implement an Sustainability Management System, but this logical structure could be a path to align and transform sustainable practices to improvement competitiveness in your business.

  1. Context internal and external

Start with analysis of the context considering need and expectations of interested parties, identifying key factors related with Marketing, legal, technological, cultural, social, environmental and economic aspects. It is important to understand the context, including how these key factors and interested parties influence your business.

  1. Aspect and impacts

According the type, size and geographical location an accommodation establishment has many aspects to be considering in a Sustainable Management System and each aspect produce one or more impacts in the three dimensions of sustainability (environmental, social and economic). So it is fundamental to analysis the works processes, identifying aspects and evaluate his impacts, specially the significant impacts which it will be control.

  1. Risks and opportunities

Based on the two topics above is possible identifying and understand what are the risk and opportunities for the business. The Sustainable Management System should be able to minimizing risks and maximizing opportunities and help to achieve the business objectives.

  1. Scope

Establish the Scope and define the boundaries and applicability of the sustainability management system.

Note: Besides the first four topics above has been organized in a logical sequence it is useful to understand that all issues are connect.

  1. Policy

A policy for sustainability management system is a kind of declaration made by the top management and needs to be appropriate to the purpose of accommodation establishment and provide a framework for setting sustainability objectives.

  1. Sustainability objectives

Considering all topics bellow now it is time to define objectives which shall be used to become the business more sustainable. Whenever it is possible the objectives should be measurable and it shall be establish plan about how the objectives will be achieve, including activities, responsibilities, resources and deadlines.

(soon part II)

Sustainable Management of accommodation establishments according ISO 21401: 2018 – Sustainability management system for accommodation establishments

novo Infografico para norma ISO 21401.004

The client experience in an accommodation establishments is built through a series of events that begin with selecting the hotel, going through booking and hosting to the relationship with activities pos sales.

As shown in the diagram above part of the construction of this experience can be observed when the client accesses the reception to check in, using the infrastructure and the services available until the check out process. Thus the reception, accommodation, food and beverages and leisure processes are those where there is direct contact with the client. However, many other fundamental processes for the operation of accommodation establishments occur behind the scenes such as: commercial, cleaning services, maintenance, reservations, F & B, procurement, for example. This whole set must be managed with a focus on the business objectives and aligned with the strategy and in compliance with established policies.

The sustainable management of the business involves considering the sustainability aspects, represented in the diagram above, during the processes of take decisions. It is important taking actions to achieve the objectives, minimizing the negative impacts of sustainability for each one of these aspects.

ISO 21401: 2018 (Sustainability Management System for Hosting) describes the elements of a Management System focused on transforming the accommodation establishments into a truly sustainable business.

Gestão Sustentável de Meios de hospedagem segundo a norma ISO 21401:2018 – Sistema de gestão da sustentabilidade de meios de hospedagem

novo Infografico para norma ISO 21401.002

A experiência do cliente em um meio de hospedagem é construída por uma série de eventos que se iniciam com a seleção e escolha do hotel, passando pela reserva e hospedagem até o relacionamento com o empreendimento nas atividades pós venda.

Conforme representado no diagrama acima parte da construção desta experiência pode ser observada quando o cliente acessa a recepção para check in, usufrui da hospedagem, incluindo a infra estrutura e os serviços disponíveis até o processo do check out. Assim os processos recepção, hospedagem, alimentação e lazer são aqueles onde há contato direto com o cliente. Contudo muitos outros processos fundamentais para o funcionamento de um meio de hospedagem ocorrem nos bastidores como: comercial, governança, manutenção, reservas, A&B, compras, por exemplo. Todo este conjunto deve ser gerenciado com foco nos objetivos do negócio e alinhado à estratégia e em cumprimento às políticas estabelecidas.

A gestão sustentável do negócio envolve considerar os aspectos de sustentabilidade, representados no diagrama acima, que estão presentes em todos estes processos internos tomando-se ações que aumentem chance de atendimento aos objetivos do meio de hospedagem, mas minimizando os impactos negativos de sustentabilidade para cada um dos aspectos.

A ISO 21401: 2018 (Sistema de Gestão de Sustentabilidade para Meios de Hospedagem) descreve então os elementos de um Sistema de Gestão com foco em transformar o meio de hospedagem em um negócio verdadeiramente sustentável.

ISO 21401:2018 – Sustainability management system for accommodation establishments – Requirements

Novos Infograficos para norma ISO 21401.002